Causas e Sintomas

 

As causas do aparecimento das miopatias autoimunes sistêmicas ainda são desconhecidas, porém alguns estudos indicam que podem estar ligadas a predisposição genético, infecções, alguns tipos de medicamentos, estresse, entre outros fatores.

Entre os principais sinais e sintomas (sem uma causa explicável) encontrados em miopatias autoimunes sistêmicas estão:

- Emagrecimento e/ou febre
-
Fraqueza muscular de caráter progressivo
- Sensação de cansaço / fadiga
- Dificuldade para engolir (disfagia)
- Falta de ar
- Dores musculares
- Dores nas juntas
- Manchas características na pele (no caso da DM)

Entretanto, é importante salientar que ter esses sinais/sintomas não significa necessariamente que você esteja desenvolvendo uma miopatia autoimune sistêmica. Há outras condições ou doenças que imitam esses quadros.

Complicações

Câncer: médicos e cientistas ao redor do mundo observaram que um percentual maior que o normal de pacientes com miopatias autoimunes sistêmicas têm algum tipo de câncer. Médicos especialistas sugerem que pacientes recentemente diagnosticados, especialmente aqueles com mais de 50 anos, devem realizar exames investigando a presença de câncer. Caso haja a presença de câncer, quando tratado com sucesso, os sintomas de miosites podem desaparecer.

Mais pesquisas são necessárias para determinar a incidência de câncer em pacientes com miopatias autoimunes sistêmicas.

Dificuldade para Engolir (Disfagia): é relativamente frequente em pacientes com miopatias autoimunes sistêmicas, sobretudo quando a doença está em progressão. O processo de deglutição envolve uma série de músculos e a fraqueza muscular tem um impacto significante no tempo de deglutição em pacientes com miopatias autoimunes sistêmicas, quando comparados a uma pessoa saudável.

Pacientes podem apresentar complicações relacionadas à disfagia, como pneumonia aspiratória (quando a pessoa aspira comida para dentro dos pulmões), nutrição inadequada, desidratação e perda de peso.
Sinais e sintomas da disfagia são: dor ao engolir, tosse persistente, engasgos frequentes, febre baixa, sensação de comida presa na garganta ou peito, queimação, perda de apetite. 
O tratamento muitas vezes envolve terapia com fonoaudiólogo.

Após o tratamento medicamentoso adequado, o quadro pode ser totalmente revertido.


Doença Pulmonar: é relativamente comum em pacientes com miopatias autoimunes sistêmicas, principalmente em síndrome antissintetase. 
O interstício pulmonar é o tecido responsável pelas trocas gasosas e inclui o epitélio do alvéolo, vasos sanguíneos e membranas. Com a cicatrização (também chamada de fibrose) se torna mais grosso e duro, incapaz de fazer a troca de gases com eficiência.
Esses pacientes devem fazer consultas em conjunto com médicos pneumologistas e realização de exames de imagem e exames específicos, como tomografia computadorizada dos pulmões e prova de função pulmonar.

Sobreposição de doenças autoimunes: muitas vezes, pacientes com miopatias autoimunes sistêmicas também podem apresentar outras doenças autoimunes. Isso é chamado de síndrome da sobreposição. Há também situações em que os pacientes podem ter uma doença autoimune sistêmica (por exemplo: lúpus eritematoso sistêmico, síndrome de Sjögren, esclerose sistêmica, etc) manifestando com quadro muscular (miosite).